Reunião de Bioestatística II: Risco Relativo e Odds Ratio

Na última reunião de bioestatística do NGHM, eu, Raquel Spinassé e Victor Stange falamos sobre o uso de risco relativo (RR) e odds ratio (OR) em pesquisa biomédica, duas estatísticas muito confundidas entre si e frequentemente mal interpretadas.

O risco relativo deve ser usado em estudos de coorte, no qual o pesquisador segue um grupo de indivíduos ao longo de um tempo e verifica a ocorrência de um evento (por exemplo, uma doença), tendo assim uma medida de sua incidência. O RR então mede o risco de um subgrupo desenvolver o evento em relação a outro subgrupo.

Por exemplo, em um estudo para analisar o risco de se desenvolver câncer de pulmão, um pesquisador pode acompanhar um grupo de 5.000 pessoas ao longo de um tempo. Ao acessar a quantidade de indivíduos que desenvolveram a doença, pode-se analisar a proporção desses indivíduos que tem hábitos tabagistas ou não.

Assim, o RR seria dado por: proporção de fumantes com câncer/proporção de não fumantes com câncer. Isso poderia ser interpretado como o risco de se desenvolver câncer de pulmão dado que você fuma.

Odds ratio é uma medida de interpretação um tanto menos intuitiva, porém muito útil em estudos de caso-controle. Estudo de caso-controle é aquele em que o pesquisador define os grupos antes de iniciar o estudo, por exemplo, um grupo de 500 indivíduos com a doença e um grupo de 500 indivíduos controles. Nesse tipo de desenho, não se pode usar o RR, uma vez que não se tem uma medida de incidência do evento, afinal é o próprio pesquisador quem define a quantidade de indivíduos em cada grupo.

É possível entender o conceito de Odds com um exemplo simples. Imagine a probabilidade de tirar um 6 ao jogar um dado de 6 lados, esta é 1/6 (esse seria o “risco”). A odds de se tirar o mesmo 6 é de 1/5, pois a odds é dada pela probabilidade de um evento ocorrer dividida pela probabilidade de ele não ocorrer, ou p / (1-p).

No nosso exemplo de câncer de pulmão, a OR seria dada por: (quantidade de fumantes com câncer/quantidade de fumantes sem câncer) / (quantidade de não fumantes com câncer/quantidade de não fumantes sem câncer).

Na reunião, também apresentamos uma função em R para calcular RR e OR, além de um exemplo de cálculo de OR pela abordagem da regressão logística. O R script está disponível aqui para que todos possam executar em seu próprio computador.

Odds de se sobreviver dado  diferentes genótipos. (via Ken Rice, University of Washington Seattle)

Probabilidades e Odds de morte por uma certa doença para diferentes genótipos. (via Ken Rice, University of Washington Seattle)

Anúncios

Estrutura para pesquisa de ponta no Brasil

A edição de abril da revista Pesquisa Fapesp traz como destaque de capa a criação de pólos tecnológicos com laboratórios de empresas em campi universitários, um modelo de sucesso nos EUA e que vem ganhando força no Brasil nos últimos 10 anos.

Além de citar o Parque Tecnológico do Rio (UFRJ) e o TECNOPUC (PUC-RS), a matéria destaca a construção do Parque Científico e Tecnológico da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que será parte do Sistema Paulista de Parques Tecnológicos. O parque da Unicamp abrigará laboratórios de empresas como a Tecnometal (mineração e energias renováveis), Cameron do Brasil (petróleo e gás), Unidade Mista Embrapa Unicamp de Pesquisa em Genômica Aplicada a Mudanças Climáticas, Inovasoft (Centro de Inovação em Software da Unicamp, que abriga empresas nascentes e laboratórios criados em parceria com a IBM, a Samsung e o Banco do Brasil), Laboratório de Inovação de Biocombustíveis (LIB) e o Laboratório Central de Tecnologias de Alto Desempenho (LaCTAD), destinado a pesquisa em genômica, bioinformática, proteômica e biologia celular.

Com equipamentos como os sequenciadores Illumina HiSeq 2500 e ABI 3730XL, equipamento de cromatografia líquida, calorímetro, espectrômetro de massas Xevo Q-TOF MS, microscópio confocal Leica, além de serviços de bioinformática com servidores IBM e máquinas HP, o LaCTAD deve se tornar um pólo de produção científica de alta qualidade e atrair alguns dos melhores pesquisadores do país.

Você pode ler a matéria sobre o LaCTAD na íntegra aqui. Toda a revista Pesquisa FAPESP está disponível no site, incluindo a matéria sobre o Parque Científico e Tecnológico Unicamp.

Matéria da revista Pesquisa FAPESP (Abril 2013)

Matéria da revista Pesquisa FAPESP (Abril 2013)